Serviços

Assessoria Jurídica Trabalhista

Nossa função é esclarecer todas as dúvidas dos associados. As consultas sobre questões jurídicas podem ser feitas através do telefone (51) 3225-3300 ou pessoalmente no Sindicato com hora marcada no horário das 9h às 12h30 e das 14h às 18h.
Jurídico

A PARTIR DE AGORA EM CANOAS, O USO DE PRODUTOS FUMIGEROS EM ESTABELECIMENTOS FECHADOS SERÁ PERMITIDO SOMENTE EM LOCAIS APROPRIADOS.

O PREFEITO DE CANOAS, NA PRESENÇA DO AUTOR DO PROJETO DE LEI,

VEREADOR WALMOR SOLANO HERMANN, SANCIONOU A LEI QUE SEGUE NA ÍNTEGRA ABAIXO



 

LEI Nº 5457, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009.



DISPÕE SOBRE A PROIBIÇÃO, NO MUNICÍPIO DE CANOAS, DO CONSUMO DE CIGARROS OU DE QUALQUER OUTRO PRODUTO FUMÍGENO, DERIVADO OU NÃO DO TABACO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.


O Prefeito Municipal de Canoas, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte LEI:


Art. 1º Fica proibido, no Município de Canoas, o ato de consumir cigarros, ou qualquer produto fumígeno, derivado ou não do tabaco, dentro de ambientes fechados de uso coletivo, sejam eles públicos ou privados, salvo em área destinada exclusivamente a este fim, desde que devidamente isolada e com arejamento conveniente.


Parágrafo Único - Entende-se por ambiente fechado de uso coletivo, todos os recintos que forem delimitados em qualquer um de seus lados por teto e paredes, divisórias ou qualquer outra barreira física, sejam elas permanentes ou provisórias, com ou sem janelas, onde haja circulação ou permanência de pessoas, tais como ambientes de trabalho, de estudo, de cultura, de lazer, de esporte ou de entretenimento, áreas comuns de condomínios, casas de espetáculos, teatros, cinemas, bares, lanchonetes, boates, restaurantes, praças de alimentação, hotéis, pousadas, centros comerciais, bancos e similares, supermercados, açougues, padarias, farmácias e drogarias, repartições públicas, instituições de saúde, escolas, museus, bibliotecas, espaços de exposições, veículos públicos ou privados de transporte coletivo, viaturas oficiais de qualquer espécie e táxis.


Art. 2º Os responsáveis pelos recintos citados do parágrafo único do artigo primeiro deverão afixar avisos da proibição em locais de ampla visibilidade, podendo utilizar símbolos e ou figuras demonstrativas com o número da referida Lei Municipal, além da indicação de telefone e endereço dos Órgãos Municipais responsáveis pela vigilância sanitária e pela defesa do consumidor.


Parágrafo Único - Os responsáveis pelos recintos de que trata essa Lei deverão informar aos eventuais fumantes sobre a proibição nela contida. Caso o infrator insista na atitude coibida, deverá ser informado sobre a obrigatoriedade de imediata retirada do local, se necessário for, através de força policial.

Art. 3º Excluem-se da aplicação dessa Lei:


I - ambientes ao ar livre, varandas, terraços e similares, onde for permitido o ato de fumar, que não possuam qualquer comunicação com recinto coletivo fechado;


II - locais de culto religioso em cujo ritual se utilize produto fumígeno:


III - vias públicas e espaços ao ar livre;


IV - residências;


V - estabelecimentos exclusivamente destinados ao consumo de produtos fumígenos, desde que essa condição esteja clara e visivelmente anunciada, na respectiva entrada.


Art. 4º Qualquer indivíduo poderá referir ao órgão de vigilância sanitária ou de defesa do consumidor do Município de Canoas, fato que tenha presenciado com o disposto nesta Lei.


Art. 5º Esta Lei entra em vigor 90 (noventa) dias após a data de sua publicação.


PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS, dezessete de dezembro de dois mil e nove (17.12.2009).

JAIRO JORGE DA SILVA

Prefeito Municipal

 


PONTOS IMPORTANTES

 

1-     Será possível a utilização de produtos fumígeros somente em áreas destinadas exclusivamente a este fim, desde que devidamente isoladas e com arejamento conveniente;

2-     Poderá ser permitido a utilização de produtos fumígeros também em ambiente ao ar livre, varandas, terraços e similares, que não possuam qualquer comunicação com recinto fechado, locais de culto religioso, vias públicas e espaços ao ar livre, residências e espaços destinados exclusivamente para este fim;

3-     Obrigatória a fixação de cartazes com avisos de proibição do fumo em locais de ampla visibilidade, tais cartazes devem constar o número da Lei Municipal, como também endereços e telefones da vigilância sanitária e órgão de proteção ao consumidor da cidade de Canoas.

 


Atenciosamente,

 


Patrícia Danielsson

Assessora Jurídica

Jurídico

Governadora sanciona a Lei  nº 13.275, de 03.11.2009

DOE RS de 04.11.2009 – “ Proíbe o uso de fumo e similares, derivados ou não de tabaco, em recinto coletivo fechado em todo o Estado do Rio Grande do Sul."

Faço saber, em cumprimento ao disposto no art. 82, inciso IV, da Constituição do Estado, que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono e promulgo a Lei seguinte:

Art. 1º É expressamente proibido o uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos, ou de qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco, em recinto coletivo fechado, seja público ou privado, em todo o Estado do Rio Grande do Sul.

§ 1º Entende-se por recinto coletivo fechado todos os recintos destinados à utilização simultânea de várias pessoas, que compreende, dentre outros: os ambientes de trabalho, de estudo, de cultura, de culto religioso, de lazer, de esporte e de entretenimento, áreas comuns de condomínios, casas de espetáculos, teatros, cinemas, bares, lanchonetes, boates, restaurantes, praças de alimentação, hotéis, pousadas, centros comerciais, bancos e similares, supermercados, açougues, padarias, farmácias e drogarias, repartições públicas, instituições de saúde, escolas, museus, bibliotecas, espaços de feiras e exposições, veículos públicos ou privados de transporte coletivo, bem como viaturas oficiais de qualquer espécie.

§ 2º Excluem-se do disposto nesta Lei:

I - os ambientes ao ar livre como calçadas, escadas, rampas, pátios, varandas, terraços e similares;
II - as residências; e
III - os locais de culto religioso em que o uso de produtos fumígenos faça parte do ritual.

Art. 2º Nos recintos discriminados no § 1º do art. 1º é obrigatória a afixação de avisos indicativos da proibição e das sanções aplicáveis em locais de ampla visibilidade.

Art. 3º O proprietário ou responsável pelo estabelecimento ou prédio, deverá zelar pelo cumprimento do disposto nesta Lei, recomendando sua observância sempre que for burlado o que nela está disposto.

Art. 4º Em recintos coletivos fechados fica facultada a criação de áreas para fumantes, devendo ser fisicamente delimitadas e equipadas com soluções técnicas que garantam, plenamente, a exaustão do ar desta área para o ambiente externo.

Parágrafo único. É facultado ao estabelecimento o comércio de seus produtos e serviços nas áreas restritas a fumantes.


Art. 5º Esta Lei poderá ser regulamentada para garantir a sua execução.

Art. 6º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.


PALÁCIO PIRATINI, em Porto Alegre, 03 de novembro de 2009.

YEDA RORATO CRISIUS,
Governadora do Estado.

Importante:
* os ambientes ao ar livre como calçadas, escadas, rampas, pátios, varandas, terraços e similares podem ser utilizados como áreas destinadas ao fumo;
*  em locais proibidos é necessário a fixação de cartazes indicando a proibição do fumo no local;
*  é facultado ao proprietário a criação de áreas destinadas ao fumo, ou seja, poderá proibir a utilização do fumo em todo o seu estabelecimento.

Atenciosamente,


Patrícia Danielsson
Assessora Jurídica

 

Jurídico
           O Sindicato de Hotéis de Porto Alegre, o Sindicato de Restaurantes, Bares e Similares de Porto Alegre e o Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Rio Grande do Sul celebraram Convenção Coletiva de Trabalho, estipulando condições de trabalho, inclusive novos salários normativos e reajustes salariais e seus respectivos prazos de pagamento.
 Confira as principais modificações econômicas:
Data base – A data-base da categoria é 1º de agosto. O período de vigência da Convenção Coletiva de Trabalho é de 1º de agosto de 2009 a 31 de julho de 2010. 

Salário Normativo - Fica estabelecido, como salário normativo, a partir de 1º de agosto de 2009 o valor de R$ 1.270,62 (um mil, duzentos e setenta reais e sessenta e dois centavos) por mês.

Majoração Salarial - As empresas concederão aos empregados, a partir de 1º de agosto de 2009, reajuste salarial de 4,57% (quatro vírgula cinqüenta e sete por cento), a incidir sobre os salários vigentes em 01º de agosto de 2008 e o reajuste proporcional sobre o salário ajustado na contratação.

Diferenças Salariais- As diferenças salariais decorrentes da convenção coletiva deverão ser pagas juntamente com a folha de pagamento do mês de OUTUBRO/2009.

Contribuição Assistencial Empregado - Os empregadores descontarão de todos os seus empregados, a título de contribuição assistencial, o valor equivalente a 1 (um) dia de salário reajustado e percebido em outubro de 2009, para os não sócios, bem como para os sócios em atraso com a tesouraria do Sindicato Profissional. O recolhimento á tesouraria do sindicato deverá ser feito até o 10º (décimo) dia da data do desconto, sob pena de incidência de multa de 5% (cinco por cento), acrescidos de juros de 1% (um por cento) ao mês sobre o valor principal a ser atualizado monetariamente. O empregado poderá exercer o seu direito de oposição, desde que informe por escrito ao Sindicato até o 10º (décimo) dia do mês que antecede o desconto.

Dos depósitos da Contribuição Assistencial – O valor da contribuição assistencial dos empregados estabelecidas na cláusula anterior, será depositado pelos empregadores, em conta corrente, junto a Caixa Econômica Federal – Banco 104 – agência 0428- conta nº 03201280-6, cuja titularidade é do Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Rio Grande do Sul.

Comprovação da Contribuição Assistencial – As empresas ficam obrigadas a encaminhar ao Sindicato profissional a relação nominal de profissionais nutricionistas contendo o salário base e a comprovação do desconto da contribuição assistencial e depósitos. Caberá aos profissionais da categoria comprovar perante a empresa a condição de sócio do Sindicato antes do desconto.


O texto completo da CONVENÇÃO/2009 está disponível no site do sindicato www.sindpoa.org.br, ou ainda no seguinte site http://www.mte.gov.br/sistemas/mediador/default.asp, devendo ser informando o seguinte número de Registro: RS001319/2009 (Sindicato de Hotéis de Porto Alegre ) ou RS 001320/2009 (Sindicato dos Restaurantes, Bares e Similares de Porto Alegre.) 
 
Atenciosamente,
 
Patrícia Danielsson
Assessora Jurídica
Jurídico

REGISTRO DE PONTO ELETRÔNICO – PORTARIA DO MTE Nº 1510

De acordo com o previsto na CLT, artigo 74, os estabelecimentos com mais de 10 empregados é obrigatória a anotação da hora da entrada e saída, em registro manual, mecânico ou eletrônico, conforme instruções a serem expedidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Foi expedida a Portaria MTE nº 1510/2009, disciplinando o Registro do Ponto Eletrônico (REP) e a utilização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto (SREP).

O SREP é o conjunto de equipamentos e programas informatizados destinados á anotação por meio eletrônico da entrada e saída dos trabalhadores das empresas, onde o empregador gerencia as informações de horário de trabalho, não sendo permitida qualquer ação que desvirtue os fins legais a que se destinam, tais como:

I – restrições de horário á marcação de ponto;

II- marcação automática do ponto, utilizando-se horários predeterminados ou horário contratual;

III – exigência, por parte do sistema, de autorização prévia para marcação de sobrejornada;

IV – existência de qualquer dispositivo que permita a alteração de dados registrados pelo empregado.

 

ADEQUAÇÃO / PRAZOS - Sendo assim, é obrigatório o Registrador Eletrônico de Ponto  (REP) equipamento de automação utilizado exclusivamente para o registro da jornada de trabalho.(entrada e saída de empregados nos locais de trabalho) sua exigência será obrigatória após 12 meses contados de 25.08.2009  ( data da publicação da Portaria MTE nº 1510/2009).

 

OBRIGAÇÕES DO FABRICANTE

·        O fabricante do REP deve se cadastrar junto ao Ministério do Trabalho e Emprego e solicitar o registro de cada um dos modelos que produzir deverá ainda fornecer ao empregador um documento denominado “Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade” assinado pelo responsável técnico e o representante legal da empresa, afirmando expressamente que o equipamento e o programa atendem os dispositivos dessa Portaria.

OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR      

·        Solicitar ao fornecedor o “Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade”;

·        O empregador usuário do sistema deverá se cadastrar no MTE via internet, informando seus dados, equipamentos e softwares utilizados;

·        O REP deve estar disponível no local de prestação de trabalho para extração e impressão de dados pelo Auditor Fiscal do Trabalho;

·        Disponibilizar meios para emissão obrigatória do comprovante de registro de Ponto do Trabalhador no momento de qualquer marcação.

Para ter acesso a integra da Portaria, acesse o site  www.mte.gov.br/pontoeletronico.

 

Patrícia Danielsson

Assessora Jurídica


icon-face icon-face icon-face icon-face

Sindicato de Hospedagem e Alimentação de POA e Região
Rua Dr. Barros Cassal, 180 conj. 801 | Floresta
Porto Alegre/RS | CEP 90035-030
Fone: +55 (51) 3225-3300